Universo Endovascular e a Saúde Feminina

Os avanços médicos constantes têm impresso uma importantíssima modificação no cuidado diário dos pacientes que é a assistência multidisciplinar. A renovação permanente do conhecimento, integrado ao cotidiano médico, permite que novas e modernas abordagens tecnológicas passem a ser utilizadas e, nesse contexto, é fundamental a aproximação entre a tocoginecologia e a radiologia vascular intervencionista.

Com relação ao universo feminino, algumas das patologias mais frequentes associadas a dor pélvica crônica e sangramentos – como os miomas, as varizes pélvicas e adenomiose – tem na  intervenção endovascular um enorme trunfo terapêutico.

Os miomas, por exemplo, apresentam uma prevalência que varia entre 20 e 40% entre mulheres por volta do 35 anos, promovendo inúmeros sintomas dentre os quais podemos destacar as dores pélvicas e os sangramentos genitais. Antigamente, a solução para tais condições era a histerectomia, porém os avanços médicos têm proporcionado soluções cada vez menos invasivas e com ótima eficácia. Diante disso, tem-se observado entre as pacientes uma crescente vontade de preservação ao útero e, nesse ínterim, destacam-se as abordagens videolaparoscópicas e a abordagem endovascular através da embolização das artérias uterinas. A embolização das artérias uterinas consegue alcançar um índice de sucesso superior a 95% com melhora rápida e evidente dos sintomas associados e com a redução também significativa do volume uterino (aproximadamente 50% em 3 a 6 meses), tornando-se, assim, uma importante arma no tratamento dessas pacientes.

Já as varizes pélvicas tidas como responsáveis frequentes pelas dores pélvicas durante e após as relações sexuais, especialmente, nas proximidades do período menstrual. Apresentam uma prevalência de 30 a 40% da população mundial quando adicionamos todas as causas de insuficiência venosa periférica. No tocante `a hipertensão do sistema venoso pélvico, a embolização (oclusão com molas ou substâncias líquidas especiais) das veias ou varizes hipertrofiadas ou a angioplastia (aposição de stent) nas veias de drenagem desse sistema venoso alcançam índice de sucesso superior a 90% com melhora rápida e evidente dos sintomas.

Por fim, a utilização de abordagens modernas e minimamente invasivas guiadas por métodos de imagem, como a radiologia vascular intervencionista, podem – e muito – auxiliar os  tocoginecologistas na solução de tais e tão frequentes doenças femininas.